Swift

Resenha: A Entediante Vida de Morte Crens


A Comic Con Experience 2016 foi o evento em que decidi investir nas HQs nacionais. O Artist's Alley estava recheado de publicações interessantes e gente talentosa, contudo só agora consegui ler algumas das minhas aquisições. 

Minha vida anda uma loucura, e até entendo que essa resenha possa ser considerada um pouco atrasada, mas mesmo assim achei que deveria escrever sobre a Entendiante Vida de Morte Crens, de Gustavo Borges. Caso alguém não conheça, o artista é uma das grandes revelações dos quadrinhos nacionais, tendo conhecido este por meio de outro trabalho, Pétalas, que hoje considero uma das minhas HQs favoritas.

Pensando nisso, logo que vi seu nome confirmado no evento, tratei de colocar na minha lista de compras outros trabalhos de Borges. Sendo assim, comprei tanto, o já mencionado, A Entendiante Vida de Morte Crens, como também, A Entendiante Família de Morte Crens. Contudo, hoje só falarei do primeiro título.
Como não amar Morte Crens, eis a questão
Para quem não conhece a obra é um conjunto de tirinhas que contam as histórias de Morte Crens, a conhecida figura do ceifador responsável por fazer a passagem das almas do mundo dos vivos para o mundo dos mortos. Ao longo da história acompanhamos inúmeras situações pelas quais o personagem passa, levando o leitor a risadas e a momentos reflexivos.

Aliás, esse é o ponto que mais me impressionou na obra. Gustavo Borges consegue falar de temas complexos como morte, solidão, amor, de uma forma bem leve e simples. Aqui o significado de tais palavras não são discutidos mas como eles afetam e são inseridos em nossas vidas que é debatido, sendo Morte Crens o responsável por tais questionamentos. Através dele vemos que a vida eterna tem mais contras do que prós e que pequenos momentos devem ser valorizados.
créditos: Gustavo Borges
Iniciei este texto mencionando sobre como meu dia-a-dia está agitado e esta leitura veio a calhar, pois me fez pensar como a vida passa rápido e que as vezes estamos dando foco em nossos trabalhos, estudos, objetivos que não conseguimos aproveitar um pouco dela. Pelo menos foi essa reflexão que a HQ me trouxe, de que precisamos parar e dar um tempo a nós mesmos. Caso contrário, vamos ser apenas mero espectadores de nossas vidas e não os protagonistas.

Eu sei que me aprofundei demais, mas isso que é o legal. A história dá espaço a este tipo de reflexão e deixa o leitor bem aberto a inúmeros questionamentos, não fazendo a obra julgamento de valores.  Todas as conclusões - caso achem - parte do leitor e de como este espelha sua vida.

Outro fator positivo, é que nas tirinhas vira e mexe você irá encontrar alguma menção a cultura pop ou nerd. Seja por meio das esferas do dragão de Dragon Ball Z ou pela famosa música Esse Cara Sou Eu de Roberto Carlos (nessa eu não sei se foi proposital ou eu que divaguei mesmo 😂), todas são muito bem inseridas e provocam boas risadas.

Por último, mas não menos importante, preciso falar sobre a arte de Gustavo Borges. Posso ser considerada suspeita, pois sou fã dos traços, mas fiquei impressionada com a variedade que a HQ apresenta, tanto pelas inúmeras expressões de Morte Crens como pelas paisagens que compõem cada história. Com um ar pitoresco e belo, que me lembrou em alguns momentos aquelas gravuras de paisagens bucólicas, Gustavo consegui inserir de forma bem natural ao leitor a vida de Morte Crens e seus devaneios e preocupações.

Não se esqueça também de conferir nosso desafio literário, clicando aqui. Neste mês iremos resenhar HQs e trazer um pouquinho dos quadrinhos nacionais para vocês 😉




Dados técnicos do exemplar lido:
Título: A Entediante Vida de Morte Crens
Autor: Gustavo Borges
Ano: 2016 (2ª Edição)
Páginas: 64

Formato14,8 x 21 (colorido)
Onde comprar: aqui
Custo: R$ 20,00

LEIA TAMBÉM