Swift

Crítica: Corra! (sem spoiler)


Corra! estreia semana que vem no Brasil, dia 18, e devo confessar que estava curiosa para conferir o filme que fez um sucesso estrondoso no EUA. Com Jordan Peele na direção - que anteriormente só conhecia pela comédia Keanu e alguns episódios do MADTv - , o filme vem com bastante hype para os cinemas brasileiros, mas o que todo mundo quer saber é se realmente vale o ingresso. Sendo assim, confira a minha crítica e saiba mais sobre esse terror/suspende que tem tudo para virar sua cabeça no estilo Black Mirror.

"Se chorei ou se sorrir, o importante é que emoções eu vivi", pode parecer maluquice mas essa frase realmente engloba tudo o que senti ao assistir Corra!, uma montanha russa de emoções que vão aparecendo ao longo da trama, te tornando cada vez mais dependente da história e de seus personagens. Dessa forma, já respondendo a pergunta inicial é que SIM vale muito a pena ir ao cinema e prestigiar a produção.

Na trama, somos apresentados a Chris (Daniel Kaluuya), um jovem fotógrafo que está prestes a viajar para a casa da namorada Rose (Allison Williams) e conhecer pela primeira vez a família desta. Ambos são recebidos de forma calorosa, mas com o passar do tempo Chris vai descobrindo que as vezes as pessoas não são aquilo que realmente aparentam. Iniciando, assim, uma corrida por sua vida e liberdade.



Após ler essa pequena sinopse, você pode pensar que está é uma típica premissa de um filme de terror, mas caro tripulante você está enganado. Com uma simples frase do protagonista, logo nos minutos iniciais, descobrirmos sobre o que a produção quer realmente falar: o racismo. A preocupação de Chris sobre uma possível objeção dos familiares por conta de sua filha estar em um relacionamento interracial é bem inserida e coloca em destaque o tema a ser debatido. 

Todo o mérito vai para Peele, que através de um roteiro sagaz, repleto de humor negro consegue falar sobre o racismo velado que existe em nossa sociedade de uma forma sutil e diferente do que estamos acostumados. Não estamos vendo um simples filme de terror, mas uma análise de comportamento social.  Sim, os elementos do gênero estão presentes, você definitivamente ficará na ponta da cadeira com a atmosfera criada pela trama, mas também dará risadas, irá chorar e principalmente te causará desconforto. Sendo está última, um reflexo diante das ações que presenciamos em nosso dia-a-dia.



Parte essencial desta equação também é o elenco do longa, todos estão muito bem em seus papéis. Daniel Kaluuya é incrível, o ator consegue falar apenas com o olhar e traz uma humanidade ao seu personagem, fazendo com que o público crie um vínculo quase imediato com Chris e sua jornada. Já outra surpresa agradável, é Allison Williams, que traz uma Rose complexa, que irá surpreender o público. Por fim, meu último destaque vai para Lil Rel Howert, que é responsável por trazer um alívio cômico a trama e deixar que o espectador respire por alguns segundos antes de voltar a tensão. Ele está simplesmente fantástico, dei gargalhadas com suas tiradas.

Por fim, mas não menos importante é a trilha sonora. Diferente do habitual, a produção consegue casar muito bem músicas como Redbone, Run Rabbit Run, (I've Had) The Time Of My Life com um instrumental que traz toda a bizarrice da trama. 

Sendo assim, até porque me alonguei demais (novamente), Corra! é um filme que merece ser visto. Com uma forte crítica social envolta em um terror psicológico, o longa sabe brincar com o gênero, ao mesmo tempo, que não tem medo em impor reflexão ao público.



LEIA TAMBÉM