Swift

Primeiro Contato: Deuses Americanos S01E01


Em sua estreia, Deuses Americanos, traz uma narrativa intrigante e um visual apaixonante

Deuses Americanos estreou nessa segunda-feira (01/05), na plataforma de streaming Amazon Prime. Considerada umas das produções mais antecipadas de 2017, a série fez bonito em seu primeiro episódio, trazendo uma narrativa inteligente, rápida e um visual de cair o queixo. Ficou curioso? Então venha conferir as primeiras impressões da série.

Devo confessar que sou uma exploradora iniciante neste universo de Neil Gaiman (shame on me). Sempre tive vontade de ler o livro (que inclusive tem uma resenha bem detalhada aqui no blog), mas a correria da vida e meu próprio esquecimento me fizeram passar batido pela história. Contudo, estou extremamente arrependida, pois a série me cativou de uma maneira absurda e agora anseio para ler a obra.

Para situá-los neste mundo, que mistura mitologia com realidade, somos apresentados a Shadow Moon (Ricky Whittle), um prisioneiro que está a cinco dias de ganhar sua liberdade e finalmente poder retomar sua vida. Contudo por uma obra macabra do destino, o personagem ganha sua liberdade de maneira antecipada após ser avisado do falecimento de Laura Moon (Emily Browning), sua esposa. Nitidamente conturbado e com o objetivo de chegar ao enterro desta, sua jornada é interrompida pelo cativante e misterioso Mr. Wednesday (Ian Mcshane), que lhe oferece um emprego de motorista/faz-tudo, fazendo com que Shadow seja inserido em uma trama complexa, que nem ele ou nós temos conhecimento das proporções ou dos objetivos.



Diante dessa premissa básica, somos apresentados ao universo de Deuses Americanos. Com uma abordagem bem trabalhada, o roteiro de Bryan Fuller e Michael Green é instigante, da mesma forma que opta por um ritmo acelerado, tratando de estabelecer logo de cara os primeiros conflitos, porém sem esbanjar informações. Pelo contrário, somente o necessário é dito, deixando o espectador ansioso para o próximo episódio. Além disso, com o próprio Neil Gaiman servindo como produtor-executivo da série, a esperança é que está não tome caminhos nada inusitados.

Como fã assumida de mitologia, a imensidão de deuses e culturas que são exploradas no primeiro episódio é um grande ponto positivo. O multiculturalismo está presente, sendo evidenciado por personagens, objetos ou contexto. De deuses nórdicos à africanos, o primeiro episódio da série mostra uma pequena ponta da diversidade de deuses que está por vir. Aliás, deuses é o que não irá faltar na produção e creio que a presença desses é o início de uma brutal batalha.



Tudo isso é transposto em tela por David Slade, que de forma bem estilosa, consegue contar uma história com um enorme background de forma atual, sem cair na mesmice ou no tédio. Com uma paleta de cores escuras e mórbidas contrastando com tons vibrantes de neon, o diretor consegue criar belos ambientes, suspendendo a realidade e levando o espectador há um mundo completamente diferente. É como se estalássemos os dedos e uma outra realidade fosse apresentada, mas que se encontra tão perto de nós que não sabemos em qual estamos.

Ademais, o episódio traz boas cenas de luta, se utilizando do slow motion tão popular de Zack Snyder, e bastante sangue. A série possui cenas explícitas de sexo e violência, no entanto, mesmo que eu não seja muito fã de gore, não me senti nem um pouco enojada ou temerosa, talvez pela forma como o sangue é retratado em cena. Ele não está ali simplesmente para chocar, mas faz parte do contexto apresentado, sabe? O que torna tudo mais aceitável, pelo menos na minha visão 😉


No quesito atuação, ainda é cedo para falar, talvez no final da temporada possa dar uma opinião mais fundamentada, mas devo confessar de que gostei do que vi. Achei todos os atores bem em seus respectivos papéis, porém o destaque tem que ser de Ian Mcshane que traz um Mr. Wednesday cativante, sagaz e um tanto escorregadio, tendo me deixando com a pulga atrás da orelha em relação ao seus próximos passos.

Por fim, concluo que Deuses Americanos foi uma grata surpresa. Sendo a primeira temporada composta por oito episódios, só nos resta esperar que os outros sete tenham o mesmo nível de produção e roteiro, pois a série tem tudo para angariar uma legião de fãs.





Informações:
American Gods - 1ª Temporada
Episódio 1: The Bone Orchard  (pt: O Pomar de Ossos)
Roteiro: Bryan Fuller e Michael Green
Direção: David Spade

LEIA TAMBÉM