Swift

House M.D. - Especializado em antissocialidade



Seguindo com as indicações de séries, hoje lhes trago uma que eu gosto muito. Talvez uma das que me fez gostar de seriados. Eu assistia uma vez ou outra, quando passava na Record. Era dublado e por incrível que pareça era bom. Junto com 'My Wife and Kids' (Eu, a Patroa e as Crianças), 'House' tem uma dublagem excelente, que você assiste tranquilamente. Pois então, curti o que vi e fui atrás de assistir tudo que tinha saído até a época, viciei e acompanhei até o episódio derradeiro. Uma pena, Dr. House faz muita falta na minha vida.

A série criada por David Shore, foi exibida no Canal Fox do dia 16 de novembro de 2004 até 21 de maio de 2012, foram 8 temporadas ao todo. No Brasil passava no canal pago Universal Channel e como já disse antes, na Record.

Gregory House (Hugh Laurie) é um médico muito inteligente, sagaz, resolvedor de enigmas, um excelente músico, mas qual é o problema dele? Você me pergunta. Ele é um cara muito ranzinza, arrogante, insensível e muitas vezes estúpido. Acabar sendo o anti-herói clássico que amamos, mas não sei se deveríamos.


Ele é um cético. Não acredita em nada que não possa provar e diz que todo mundo mente, e isso é uma das citações preferidas dele. Só o que tem são citações muito sagazes e divertidas:

“Todo mundo mente”. – Dr. House

“Sem competição, ainda seríamos organismos unicelulares.” – Dr. House

“As pessoas escolhem os caminhos que as dão as maiores recompensas com o menor esforço.” – Dr. House

“Como já disse o filósofo Jagger: Você não pode ter sempre aquilo que quer.” – Dr. House

“Não, se você fala com Deus, você é religioso. Se Deus fala com você, você é um psicótico.” – Dr. House

Você vai notar uma coisa nos personagens House e Wilson, do jeito que eles são, na amizade, é muito similar à Sherlock Holmes e John Watson, e isso não é coincidência, os criadores da série se basearam nos contos do escritor escocês Arthur Conan Doyle. Tendo algumas semelhanças entre ambos personagens/obras, como:

- Ambos conseguem deduzir um caso apenas olhando para uma pessoa;
- House e Holmes têm significado de “casa” em inglês;
- Os dois se utilizam de drogas, Sherlock para escapar do tédio e Gregory House por conta da dor na perna, mas também para se livrar do tédio e da “dor” de lidar com pessoas estúpidas.
- Sherlock vive na Rua Baker, nº 221B e House mora na casa nº 221B.

Há outras similitudes entre ambos personagens, assistindo você verá.


Claro, a série não é só o protagonista que dá nome a produção, apesar de ser o elemento chave da história, ele é complementado por outros personagens, cada um contendo personalidades diversas e cada um a sua maneira, bate de frente com o House. Com o passar das temporadas, existiram mudanças dos médicos que cercaram House, porém vou falar dos que estão no começo da série.

James Wilson (Robert Sean Leonard) é o amigo mais próximo de House, para não dizer que é o único amigo que ele tem. Sempre está presente na vida dele, ajudando-o em todos os momentos. A relação dos dois é muito legal e tem alguns episódios hilários quando os dois apostam alguma coisa.

Lisa Cuddy (Lisa Edelstein) é a chefe do hospital em que Dr. House trabalha e as vezes pega leve com as coisas erradas que ele faz, porque ele é único, apesar de não ser um empregado fácil de lidar, é o médico que resolve os problemas irresolúveis.

House trabalha com três médicos na sua equipe que ele mesmo selecionou, por diferentes motivos.

Allison Cameron (Jennifer Morrison), uma jovem médica imunologista, que é muito “certinha” no que faz, ao contrário do chefe, levando a não seguir o que lhe foi mandado e criando tensões entre os dois.

Robert Chase (Jesse Spencer), é especialista em medicina intensiva e ex-seminarista, o que leva a House a fazer muitas piadas por conta disso. Não tem problema em seguir o que o chefe manda, pois crê que está lá para fazer seu trabalho e pronto. Quase que um contraponto com a Dra. Cameron.

E o último, mas não menos importante é o Dr. Eric Foreman (Omar Epps), especializado em neurologia, foi contratado não por isso, mas por conta do passado que ele possui (não irei entrar em detalhes). É dos três, o mais equilibrado, chegando a ser chefe do House umas temporadas depois. E isso leva a House a soltar várias piadas com o ex-comandado, como “Blackpoleon Blackaparte” (um trocadilho com Napoleão Bonaparte e pelo fato do Foreman ser negro).


Para alguns o fato da série ser "procedural", ou seja, cada episódio é um caso médico diferente, pode afastar algumas pessoas, mas em House M.D. você vê o crescimento e amadurecimento dos personagens e como isso afeta no relacionamento entre eles e com os pacientes. Os casos que House e sua equipe tem que lidar são em sua maioria casos que não existe na vida real, porém são bem elaborados, visto que os roteiros eram revisados por médicos. Você vai se deparar com cada um mais mirabolante do que o outro.

A série é simples, mas muito gostosa de ser acompanhar. Eu, particularmente, gosto de assistir na ordem de lançamento dos episódios, porém nada te impede de ver episódios soltos.

Fica minha indicação de hoje. Espero que curtam bastante. Deixem suas impressões aqui nos comentários. Até a próxima.



LEIA TAMBÉM