Swift

Resenha: O Reino das Vozes que Não se Calam


O Reino das Vozes que Não se Calam é o primeiro livro da parceria entre a autora Carolina Munhóz e a atriz Sophia Abrahão. Nele conhecemos a história de Sophie, uma adolescente introspectiva totalmente insegura e com muita dificuldade de se relacionar com as pessoas. O fato dela sofrer bullying só diminui sua interação com o mundo que a cerca e, à medida em que esta tenta fugir desse mundo, mais ela vai mergulhando em sua depressão.

Sophie curte rock e se veste com um estilo meio grunge, com suas roupas largas e camisas de bandas sua intenção era parecer ter um pouco mais de quilos do que na verdade tinha, já que esse era o motivo do bullying, sua magreza. Afinal é difícil viver sem insegurança quando todos da sua cidade a olham com um olhar de desaprovação, como se esta fosse anoréxica. Então, Sophie só tem uma amiga, a popular Ana. Acontece que Sophie não se encaixa no mundo de Ana, e ao ser humilhada na frente de todos por seus amigos, a amizade das duas fica abalada. 

“Por que não posso ser feliz?” 
“Por que não posso ser feliz em algum lugar?”

Adormecendo, Sophie acorda em um lugar totalmente diferente, em um reino onde todos a amavam e a admiravam do jeito que ela é. O Reino das Vozes que Não se Calam é um lugar encantado, colorido, feliz e mágico. Finalmente um lugar onde Sophie se sente feliz! Mas será que ela estaria disposta a largar toda a sua vida para viver no Reino?


“- Este pode ser o reino que você quiser, princesa - disse o Ministro. - Futura Rainha - complementou a avó”


A partir daí Sophie vive seus dias desejando estar no Reino, porque esta ainda não sabe como retornar quando quiser. E no meio dessa busca de Sophie para retornar ao Reino e quem sabe viver para sempre neste, ela conhece Léo e Mônica. E por mais que no início ela tente manter distância dos dois, a cada dia eles vão se aproximando e se tornando importantes em sua vida.


“Léo não se arrependia de ter chamado a garota triste para vê-lo tocar. Desde a primeira vez que a viu, sabia que ela era como um passarinho com asas quebradas. Não queria consertá-las. Mas gostaria de tentar encorajá-las a se curar e voar.”


O livro é lotado de referências à bandas e músicas, inclusive há uma playlist das músicas no fim. Além disso livros maravilhosos como Harry Potter e Nárnia são citados e foram muito bem encaixados, tornando uma leitura atual e nostálgica ao mesmo tempo. É um livro que vai tratar incertezas adolescentes, bullying, insegurança com o corpo, depressão, enfim, apesar de ser uma fantasia, traz assuntos bem atuais e que merecem ser refletidos. 

“Ninguém pode fazer outra pessoa feliz. Nós precisamos encontrar a nossa própria felicidade. Eu nunca achei que fosse digna de ser feliz. Esse sempre foi o grande problema.”

O Reino das Vozes que Não se Calam é um livro de escrita fluida e rápida - eu devorei no mesmo dia. Quem gosta do gênero com certeza irá se entregar à leitura e torcer por Sophie. A única coisa que ficou a desejar, foi o Reino. Ele não me convenceu, não consegui sentir o anseio que Sophie sentia em voltar. Mas isso não atrapalhou a narrativa e assim que terminei esse, já peguei o segundo para ler - e em breve haverá a resenha do livro O Mundo das Vozes Silenciadas


LEIA TAMBÉM