Swift

TOP 5: Motivos para você conferir Mindhunter


A gente não podia deixar de falar de Mindhunter, série baseada no livro com nome homônimo e que está entrando na mente de quem a assiste.

Hoje vou listar 5 motivos para fazer com que você dê uma chance à série, vamos lá:

1 – David Fincher


Começamos chutando a porta! Tem David Fincher que é produtor executivo da série e ainda dirige 4 episódios. Você já o conhece, mas para os desavisados, ele é diretor de Garota Exemplar, A Rede Social, Zodíaco, Clube da Luta, Seven, entre outros inúmeros filmes, sem contar que é produtor de House of Cards. Com um currículo invejável desses, você não precisaria de mais motivos para ir conferir Mindhunter agora, não?

2 – Serial Killer


A série trata os estudos dos assassinos em série, os chamados ‘Serial Killers’. Os agentes do FBI vão interagir com criminosos e tentar entender o porquê das ações deles. Uma verdadeira viagem à mente do assassino. Mas não se preocupe, nada muito complicado de se entender.

3 – Tem na Netflix


Outro ponto primordial, tem todos os 10 episódios na Netflix. Então, você só tem que se preocupar em abrir o aplicativo e dar play! Fácil você maratonar Mindhunter e caso precise ir ao banheiro, só apertar o pause. Rs.

4 – Construção dos Personagens


Os personagens são bem construídos, desde os agentes do FBI, até os assassinos. Cada um tem seu ‘quê’ de problemas e individualidades, alguns com poucos minutos de tela contam muito só com a postura e trejeitos. Gostei muito do desenvolvimento deles, principalmente do agente Holden Ford.

O que me leva a perguntar, o quão fiel a série é ao real agente do FBI, que nos anos 70 estudou os criminosos. Sim, para quem não sabe existiu um agente especial do FBI, o John Douglas, que o tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão serial killer, assassino em série, nem existia, Douglas foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo.

5 – Produção e Elenco


Como se passa nos 70, a série tem que se adaptar ao seu tempo, dentre várias coisas boas que vimos, uma delas foi a evolução do gravador de áudio que no começo da série é um ‘trambolho’ grande e difícil de transportar e no final já é bem mais ‘high-tech’.

E o elenco está formidável. Jonathan Groff (Holden Ford) e Holt McCallany (Bill Tench) formam uma dupla de agentes do FBI com uma dinâmica crível e interessante, fazendo o paralelo do novo com o velho, mas ambos em busca de se adaptar às novas demandas do trabalho. 

Temos também a Anna Torv como a psicóloga Wendy Carr, que chega para ajudar a dupla do FBI, mas para também adicionar outra perspectiva aos estudos. No entanto, para mim quem mais se destaca na série é o assassino Ed Kemper, interpretado pelo ator Cameron Britton, trazendo um personagem falante e bem-educado que estuprou e matou várias mulheres. Um personagem em que ao mesmo em que você se interessa, também tem medo dele.


PS: A ideia do Fincher é de fazer 5 temporadas, e a série já está renovada para a segunda. Ele falou, em entrevista à Billboard, que "No próximo ano, investigaremos o assassinato de crianças de Atlanta, então teremos muito mais músicas afro-americanas. A música evoluirá. É pensada para apoiar o que está acontecendo com o seriado, e o programa evoluirá radicalmente entre as temporadas."

O caso ao que se refere foi uma série de assassinatos ocorridos na cidade de Atlanta, na Géorgia, entre os anos de 1979 e 1981. Esse período contou com 28 vítimas afro-americanas, sendo a maioria crianças, mas também incluindo adolescentes e adultos.

Depois desses 5 super motivos e ainda mais a expectativa para a segunda temporada, você deveria estar abrindo a Netflix para maratonar Mindhunter agora! Ah, e depois nos conte o que achou.

LEIA TAMBÉM