Swift

Crítica: Pai em Dose Dupla 2 (sem spoilers)


Sequência do filme de 2015, Will Ferrell e Mark Wahlberg estão de volta em Pai em Dose Dupla 2. Com um clima bem natalino voltamos a vida de Brad (Will) e Dusty (Mark), agora amigos, a dupla demonstra que realmente resolveu suas diferenças e mantém uma relação cordial e saudável. Contudo, com a chegada de seus pais para o Natal, algumas tensões e confusões vêm à tona.

Logo de cara, é preciso afirmar que o filme é como se fosse uma extensão do primeiro, ou seja, caso você não tenha visto se sentirá um pouco perdido em suas tramas e piadas, já que constantemente o roteiro faz alusões a produção. Por falar nisso, o roteiro de Sean Anders, traz mais do mesmo, é clichê e se utiliza das mais variadas situações para tirar risada do espectador, o que nem sempre funciona. 



Se no primeiro filme o foco era na relação pai/padastro, sua sequência é voltada para as influências destes nas criações de seus filhos e como isso pode ser complicado. A ideia é boa e traz problemáticas familiares que são genuinamente divertidas e que se correlacionam com o espectador. Porém, utilizando-se da famosa comédia pastelãoalgumas cenas se tornam cansativas e meio sem sentido. 

No entanto, um dos seus grandes acertos é na construção da relação dos protagonistas com seus pais. John Lithgow e Mel Gibson são boas adições ao elenco. Apesar dos personagens serem bem estereótipos - o primeiro é o pai excessivamente amoroso, bem humorado, amado por todos, enquanto o segundo é o típico machão, mulherengo, politicamente incorreto - funcionam bem . Aliás, diria que o quarteto é ótimo junto, há bastante química entre os atores e todos os conflitos são condizentes. Contudo, a forma como estes são solucionados deixa a desejar. De maneira corrida, tudo se torna fácil demais não criando nenhum tipo de impacto.


Outro ponto que me chamou a atenção foi o fato da personagem de Linda Cardellini possuir uma voz mais ativa neste filme. Houve a tentativa de dar certo "empoderamento" a sua personagem, porém não foi feito da maneira correta. Está ainda continua superficial e esquecível, assim como, o resto do elenco feminino.

Pai em Dose Dupla 2, possui bastante erros, mas se reconhece como uma comédia despretensiosa. O quarteto principal possui bastante química o que gera umas boas risadas, sendo este o típico filme para você assistir com seus familiares em um domingo a tarde e simplesmente relaxar.




LEIA TAMBÉM