Swift

Review | South Park: A Fenda que Abunda Força


Como diria um grande sábio; “Com grandes peidos, vêm grandes responsabilidades”, é apenas essa frase que fará com que você entenda o que é South Park: A Fenda que Abunda Força.

Em uma mudança repentina de brincadeira, sugerida por Cartman, saímos do mundo medieval e somos transportados para o universo dos super-heróis, onde comandamos o Sentinela Peidorrento. Vivenciamos o final do primeiro game e entendemos o motivo da mudança ‘Game of Thrones’ para ‘Marvel’, mas não é algo qualquer quer, mas sim o sumiço de um gato.

Você continua com o personagem Novato de South Park, que continua sem falar muito, e que esconde realmente algo de seu passado. Você nessa segunda parte começa semelhante ao primeiro, desbloqueando seus poderes em diferentes classes e se envolvendo em missões pela cidade, onde os crimes crescem cada vez mais.


Os gráficos continuam semelhantes ao primeiro, tendo mesmo design do seriado, e sempre mantendo muitos aspectos icônicos que apenas South Park tem. O humor pesado continua presente no game, talvez até mais que o anterior, quando escolhemos a dificuldade à partir da cor de seu personagem – do branco (fácil) até o negro (difícil). A história também não foge do sarcasmo típico, sempre envolvendo os assuntos mais polêmicos possíveis, como política, religião, sexualidade, racismo e mais uma lista que só cresce.

Mas também vemos um humor menos acido algumas vezes, quando encontramos nossos heróis em um cenário “Guerra Civil”, sempre estabelecendo o Marvel e DC durante o game e até mesmo fazendo referencias as series de ambos da Netflix, como ironia.

O game também não foge do bom RPG que conhecemos, trazendo a graça de evoluir seu personagem e conseguir pontos para suas armas e subida de level. Sempre em alguma parte da cidade existira uma missão, seja tirar selfies com as pessoas para o “coonstagram” ou encontrar quadros de Tweek e Craig no estilo ‘Yaoi’.


Combate e Customização

A dinâmica do RPG de South Park é simples, para que o jogador não passe por nenhum tipo de dificuldade desnecessária. Em batalha temos poderemos básicos e um supremo, que funciona como um especial, e três aliados de sua escolha que vão sendo liberados durante o game. Sua movimentação já é conhecida por turnos – como funciona em Final Fantasy, Chrono Trigger e muitos outros.

As opções de personalizações são como no outro game, infinitas, onde ganhamos e podemos ir personalizando de acordo como queremos que nosso herói fique, podendo até mesmo fazer junção de equipamentos para deixa-los mais fortes. Sua evolução também desbloqueia a sequencia de seu DNA, onde vamos colocando artefatos que o deixam mais forte e facilitam sua movimentação durante as batalhas.


No final South Park: A Fenda que Abunda Força é um prato cheio de diversão para os fãs de South Park e RPG, já que transporta todos os elementos que os gamers gostam em um game cheio de sarcasmo, humor negro e aquilo que gostamos muito que são os heróis.



LEIA TAMBÉM