Swift

Crítica | Exorcismos e Demônios


O gênero terror pode ser o favorito de alguns e um problema para outros, principalmente quando falamos de filmes que são baseados em fatos reais. Mas nem todos levam esse mérito de "bom filme de terror", já que não adianta ter uma história assustadora em mãos e não saber como construí-la. E é o que acontece de forma muito óbvia com Exorcismos e Demônios.

O roteiro é baseado no caso de uma freira, que acaba morrendo após um exorcismo e o padre por trás disso, é preso. Uma repórter vai em busca do caso para investigar e acaba vivenciando o espírito demoníaco em seu corpo. Mesmo sendo uma história como outra qualquer, ela tem uma essência que poderia ser muito bem explorada e contada, mas que o diretor Xavier Gens acaba falhando miseravelmente.


Com um toque não só de terror, mas também investigativo, seguimos a história com a repórter Nicole Rawlins (Sophie Cookson), uma cética em busca de respostas e que acaba conhecendo o Padre Anton (Corneliu Ulici), dando a luz que ela precisa para entender o que se passa na pequena cidade onde ocorreu o exorcismo.

As atuações são interessantes, não sendo um problema durante o filme, mas sim sua construção onde acaba deixando muito o terror de lado e se torna uma história investigativa totalmente perdida. Para não dizer que o filme só tem cenas ruins, a única que consegue nos dar um pouco de esperança e depois sumir é a que ocorre o festival dos mortos na cidade, onde as pessoas usam mascaras e andam pela cidade aproveitando a noite.


Um grande problema também são os efeitos, que em alguns momentos são interessantes, mas na maior parte do tempo parece que foram feitos por um estudante que ainda está aprendendo como mexer na ferramenta de edição.

Exorcismos e Demônios pega um fato superinteressante e transforma em um filme sem sal e chato. E, mesmo que fiquemos até o final da sessão na esperança de uma melhora, também sentimos vontade de levantar da cadeira e ir embora, já que receber boleto do final do mês consegue ser mais assustador que essa história.



LEIA TAMBÉM