Swift

Resenha | Encarcerados


Encarcerados foi um dos livros que me conquistou pela capa. Primeiramente, a arte que, embora simples, é muito linda! Em segundo lugar, havia o nome de John Scalzi estampado nela e eu já conhecia o excelente trabalho do autor em A Guerra do Velho. E para a minha alegria, a nave mensageira da editora Aleph deixou um exemplar aqui na nossa base!

Essa resenha deveria ter saído há algumas semanas, em vídeo, no nosso canal. Porém, devido a alguns problemas técnicos, não conseguimos upar o trabalho para o YouTube, mas venho exaltar essa obra com tudo o que ela merece, de maneira escrita mesmo. Me acompanhem!

Quando eu comecei a ler o livro, eu cometi um pequeno erro, de embarcar na narrativa com a mesma ideia de A Guerra do Velho, esperando apenas sci-fi, mas então eu me deparei com um caso policial na história e achei que então seria um livro policial. Só depois entendi que Encarcerados não é só um livro de ficção científica, mas também não é um livro só policial. Na verdade é um caso policial no meio de um cenário totalmente sci-fi e junta duas das minhas maiores paixões literárias. Confesso que bateu até uma emoção, quando percebi isso. E, na verdade, estava o tempo todo estampado na capa, marcado com uma mão robótica, segurando uma pistola!

O título do livro vem da sequela gerada pelo Haden. Uma doença causada por um vírus e que acomete uma grande parte de todo o mundo, onde há três possíveis destinos reservados para quem é infectado. O primeiro é a morte, o segundo é um estágio maior de desenvolvimento de algumas capacidades cerebrais e o terceiro é o encarceramento, onde o indivíduo perde todos os movimentos, mas continua com a consciência perfeitamente ativa e fica preso — encarcerado — no próprio corpo.

Para resolver a questão do encarceramento, o governo cria um programa para os Hadens, onde desenvolvem robôs, chamados de C3 — que eu não pude deixar de fazer uma analogia com o C3PO — e que, após um implante de um equipamento, as pessoas encarceradas conseguem transferir suas consciências para os androides e assim utiliza-los para viver.
Os C3, embora ainda estejam sendo aprimorados, já possuem sensores que permitem a sensação de tato e também uma modulação de voz, além de altos recursos tecnológicos.
Daí você pensa que isso é muito legal, certo?! Mas e então, se um encarcerado possui uma má índole e está controlando um robô, que pode quebrar, mas não morre, e resolve fazer algo de ruim?! Pois é, não existe apenas o lado bom nessa solução e Scalzi colocará o leitor diante de ambos os lados, de quem é a favor e de quem é contra toda essa questão social, política e capitalista, mas sem incitar um lado como correto. Isso caberá ao leitor ponderar e escolher. E isso ficou excelente! Uma jogada de mestre.

Além da questão de segurança, a história vai abordar muitos outros pontos polêmicos, como a possibilidade de as pessoas serem quem elas quiserem, sobre convívio social, discriminação de minorias e tantos outros assuntos muito reais no nosso próprio mundo — cumprindo toda a função de um ótimo livro de ficção científica.

Os personagens são muito bem construídos, desde nosso protagonista Chris Shane — não sei o motivo, mas eu achava que ele era uma garota até quase metade do livro —, que é um encarcerado, rico, e agente do FBI, até outros personagens que só vivem no mundo virtual da Ágora — um espaço virtual para Hadens que não querem usar C3 e apenas vivem virtualmente, além de seus corpos imóveis, aos cuidados em algum local. Mas um destaque vai para Vann — parceira de Chris, no FBI —, que foi uma das minhas personagens favoritas, e que vai conquistar qualquer um!

O vilão principal não é tão grandioso e sua motivação não é exagerada, como muitas vezes é esperado em livros desse gênero. Mas acredito que toda a jornada para o desfecho da situação é que vale muito a pena e nos traz grandes reflexões sobre tudo o que vivemos e até onde isso pode chegar.
O caso policial que perdura também até o fechamento do livro, também é essencial para prender o leitor, na necessidade de desvendar o que realmente aconteceu e quem está por trás de tudo.

Um ótimo caso policial em um ambiente sci-fi, uma experiência única e um dos melhores livros que já li este ano, e que acredito que você também deveria ler!

Título: Encarcerados
AutorJohn Scalzi
EditoraAleph

LEIA TAMBÉM