Swift

4 heróis LGBT que merecem sua atenção


Essa semana foi anunciado que Ruby Rose ("Orange is the New Black", "Megatubarão") viverá Kate Kane, a Batwoman. Isso mesmo, uma produção focada na personagem está sendo desenvolvida pela CW e entrará na grade do canal entre 2019/2020. 

Sendo mais nova integrante do Arrowverse - como é assim conhecido o mundo compartilhado da DC na TV - a personagem que surgiu nos anos 50 voltou ao mundo das HQs em 2006 pelas mãos de Marguerite Bennett (DC Comics Bombshells) e James Tynion IV (Batman and Robin Eternal) e se assumindo lésbica. Apesar de algumas decisões editoriais bem questionáveis - como a proibição do casamento entre a personagem e sua noiva Maggie Sawyer - Batwoman foi a primeira personagem abertamente gay a protagonizar uma série em uma publicação mainstream, tendo inclusive recebido um prêmio GLAAD (Gay and Lesbian Alliance Against Defamation) por tal feito.

Diante de tamanha representatividade, resolvi selecionar outros quatro personagens que merecem atenção e espaço tanto na TV como nas salas de cinema.

ALAN SCOTT, O LANTERNA VERDE

Alan Scott se assumiu em 2012 com um retorno triunfal às HQs. Personagem conhecido pelo público nerd, foi introduzido nas páginas dos quadrinhos em 1940 e após uma queda de popularidade passou o manto para Hal Jordan que teve até um filme para chamar de seu, mas que gostaríamos de esquecer. 

imagem: DC Comics
Brincadeiras à parte, apesar do desastre que foi o primeiro filme do Lanterna Verde, não é de hoje que a DC vem fermentando a ideia de adaptar um filme da "Tropa dos Lanternas Verdes" mesmo o projeto nunca saindo por completo da gaveta. Pensando nisso, seria de extrema importância a retratação de Scott no longa, dado ao fato deste ser o Lanterna Verde original, como também, o fato de termos o primeiro super-herói abertamente gay retratado nos cinemas.

A própria história do Lanterna está ligada a direitos LGBT antes mesmo deste se assumir. Em 2001 em uma de suas tramas um dos assistentes de Kyle Rayner se assume gay, o que levou um dos escritores  da HQ, Judd Winick, a ganhar um GLAAD Media Award. Em outra história, intitulada "Hate Crime", o mesmo assistente é vítima de ataques homofóbicos. Resumindo, o personagem sempre advogou à favor de causas LGBT, sendo de extrema importância tal fato ser retratado em uma futura adaptação.

MISS AMERICA CHAVEZ

Particularmente uma das minhas favoritas. America faz parte de uma nova era, introduzindo a comunidade LGBTQIA+ a uma gama de leitores. Essa queer latina é conhecida por ter a paciência um tanto quanto curta, voar, criar portais interdimensionais e ser completamente badassPossuindo um carisma inigualável, America caiu nas graças do público tendo ganho um título próprio. Abraçando a sororidade e a empatia, é que Chavez se tornou um dos grandes nomes que é hoje. 

imagem: Marvel Comics
Ser adolescente e salvar o mundo não é fácil, mas Gabby Rivera (Juliet Takes a Breath) e Joe Quinones (Howard the Duck) conseguem criar histórias dinâmicas e divertidas. Alias, acho que esse é o grande segredo da obra ao mostrar uma personagem por completo, camada por camada, e não apenas como um símbolo da diversidade.

imagem: Marvel Comics
Em America, conhecemos o ser humano, suas forças e fraquezas. Altamente correlacionável, o título com uma protagonista queer latina já é algo revolucionário e mostra o que Chavez realmente representa: esperança.

COAGULA

Uma das poucas personagens trans do mundo dos quadrinhos, Kate Godwin a.k.a Coagula foi criada em 1993 pela escritora Rachel Pollack quando está assumiu a publicação da Patrulha do Destino após a saída de Grant Morrison.

Com o objetivo de criar um retrato positivo de uma mulher transgênero, Pollack buscou inspiração em duas de suas amigas para nomear a personagem: a atriz e escritora transgênero Kate Bornstein  e a ativista transexual Chelsea Goodwin. Sendo assim, a super-heroína com o poder de dissolver sólidos e coagular líquidos foi criada.

imagem: DC Comics
Apesar de ter tentado entrar para a Liga da Justiça e ter sido rejeitada, foi na Patrulha do Destino que Coagula encontrou um lar. Uma versão mais recente da HQ foi lançada recentemente pela DC Comics e com roteiro de Gerard Way, ex-vocalista da banda My Chemical Romance. Inclusive, este se mostrou bastante interessado em trazer a personagem de volta a publicação.

HOMEM - GATO

Thomas Blake, conhecido como Homem-Gato, é membro e líder do Sexteto Secreto, grupo de vilões e anti-heróis criado por Charada. Apesar de ter sido criado por Bill Finger e Jim Mooney, foi através da escrita de Gail Simone que o personagem adquiriu mais destaque e assumiu sua bissexualidade.


Homem-Gato ganhou uma nova origem, transformando-o em um lutador altamente treinado e com um código de conduta sutil. Alias, se formos falar de Simone e todo seu histórico, podemos perceber o quão importante é o seu trabalha para a comunidade LGBT. Comandando as publicações da equipe desde 2005, a escritora além de explorar a bissexualidade do personagem inseriu relacionamentos homossexuais na narrativa e introduziu Porcelana, um personagem gênero fluido à história.


Por hoje foi isso tripulação, espero que vocês tenham gostado das sugestões e caso conheçam outros personagens LGBT que não deixem de compartilhar conosco.

LEIA TAMBÉM