Swift

Crítica | Te Peguei


Há brincadeiras que nunca esquecemos. Cada pessoa possui uma favorita e às vezes voltamos a revivê-las quando nos reunimos com nossos grupos de amigos. Polícia e ladrão, passa anel, corre-cotia... São inúmeros os jogos que fizeram parte de nossa infância. Contudo, você já pensou o que aconteceria caso você nunca tivesse parado de jogá-los?

Bem, Te Peguei pode ser sua resposta. O filme que estreia dia 23 de agosto nos cinemas conta a história de um grupo de amigos que era tão viciado em pega-pega que nunca pararam de jogar. Esse seleto bando formado por Hoagie (Ed Helms), Callahan (John Hamm), Randy (Jake Johnson), Fumaça (Hannibal Buress) e Jerry (Jeremy Renner) se reúne fielmente durante o mês de maio para dar continuidade à infinita partida. No entanto, as coisas podem ser um pouco diferentes esse ano já que Hoagie planeja acabar com a invencibilidade de Jerry no jogo.

créditos: Warner Bros.
Você pode achar esse plot até meio maluco, mas acredite é real. Baseado no artigo  “It Takes Planning, Caution to Avoid Being It”, do Wall Street Jornal, que conta a história de dez amigos que nunca pararam de jogar pega-pega, você já pode imaginar as loucuras que cada um desses integrantes fizeram para alcançar seu objetivo.

O primeiro longa de Jeff Tomsic é um pouco mais exagerado que a história original e possui seus clichês, mas nem por isso é menos divertido. Sabendo trabalhar a comédia, a grande sacada do roteiro de Rob McKittrick e Mark Steilen é mesclar situações absurdas com pequenas doses de sensibilidade. 

Por falar em amizade, o elenco principal é ótimo e possui uma química incrível. Não são todas as piadas que fazem o efeito esperado, mas não se preocupe, pois ainda assim o longa irá garantir boas gargalhadas. Além disso, eu preciso apontar todo o sarro que a produção tira do fato de Jeremy Renner viver o Gavião-Arqueiro no MCU, o que é mágico e simplesmente hilário.

créditos: Warner Bros.
Divertido, não é difícil descobrir qual a mensagem que o filme quer passar: cultive suas amizades, mesmo que seja através de uma partida infinita de pega-pega. Em uma era em que facebookinstagram, twitter e tantos outros aplicativos são os meios mais comuns para se ficarmos a par de nossos amigos, as relações interpessoais acabaram sofrendo um pouco. O contato humano acabou se tornando algo mais raro e o contato virtual mais comum. 

Não é fácil mantermos amizades, especialmente diante da correria do nosso dia-a-dia ou do próprio distanciamento natural que a vida oferece. É algo que exige um esforço mútuo de ambas as partes para que continue a existir. E Te Peguei mostra esse esforço. 

Que nem seus jogadores, o filme prega uma peça no espectador, pois apesar de toda a loucura e correria que a produção proporciona há uma sensibilidade intrínseca em sua história fazendo com que o público torça para que essa partida nunca acabe.




LEIA TAMBÉM