Swift

Primeiras Impressões | Pacto de Sangue


Vale a pena tudo pela audiência? Para Silas Campello (Guilherme Fontes), sim. Frustrado com sua condição, o jornalista tem a ambição de ser mais do que um repórter policial. Almejando uma posição de mais prestígio na emissora que trabalha, o personagem está a procura da grande reportagem que mudará a sua vida, mesmo que precise cria-lá. 

É com essa narrativa que adentramos no mundo de Pacto de Sangue, série original brasileira do canal Space que estreia hoje, dia 27 de agosto, às 22h30min, com episódio duplo. 

O personagem Silas, interpretado por Guilherme Fontes, é interessante. Ao mesmo tempo que você vê a ambição por sua ascensão profissional, o contraponto pode ser visto em sua vida pessoal, onde é visível a falta de interesse em questões familiares como por exemplo, o fato de sua filha estar internada em uma clínica de reabilitação. 

Lógico que para alcançar seu objetivo será necessário uma ajuda, entrando na narrativa uma mãozinha extra mais conhecida como Edinho (Adriano Garib), irmão de Silas e detentor de um carácter bastante duvidoso. Juntos, buscam crimes hediondos e os transformando nas notícias mais sensacionalistas, tornando o jornalista em uma das figuras mais polêmicas da cidade. A busca pela fama nunca foi tão sangrenta.


A série em si possui uma boa construção narrativa em seu primeiro episódio e já aborda inúmeros temas como narcotráfico, rituais pagãs e tráficos de mulheres. Possuindo uma temática tão ampla é curioso saber como está conseguirá costurar esses diferentes núcleos em uma única trama. A princípio neste início a produção conseguiu apresentar tais temáticas de forma eficiente e direta através da direção de Tomás Portella, só resta saber como este serão desenvolvidos ao longo dos sete capítulos restantes. 

Apresentando personagens bem construídos a série cria curiosidade no espectador. Mesmo explanando toda sua ideia central a produção conduz bem a história, sabendo utilizar o mistério quando necessário. 

Contudo, algo me incomodou. A história se passa em Belém do Pará e não haver um cuidado da produção com o sotaque da região foi um pouco frustante. Pode ser um mínimo detalhe, mas que influência na imersão do espectador até porque é meio estranho você ver um paulista e depois um carioca falando "égua" ou outras expressões paraenses. 

Ademais, posso dizer que Pacto de Sangue teve um início satisfatório, utilizando o jornalismo sensacionalista e a busca pela fama, a série sabe criticar como nossa sociedade está exposta a um voyeurismo mórbido.

LEIA TAMBÉM