Swift

Review | Jack Ryan (1ª Temporada)


E aí, tripulação! Hoje trago um velho conhecido para quem curte de filmes de espionagem. Jack Ryan, baseado nos livros do Tom Clancy, já teve várias adaptações para o cinema e quatro atores CONHECIDOS já interpretaram o personagem:

1 – Alec Baldwin (Caçada ao Outubro Vermelho);
2 – Harrison Ford (Jogos Patrióticos e Perigo Real e Imediato);
3 – Ben Affleck (A Soma de Todos os Medos);
4 – Chris Pine (Operação Sombra: Jack Ryan);

Agora temos a primeira adaptação para as telinhas, através da Amazon Prime Video (sim, também possui serviço de streaming e é muito bom por sinal, confiram!), que trouxe Carlton Cuse (Bates Motel) e Graham Roland (22 milhas) para criar a série e, inúmero nomes em sua produção, entre eles Michael Bay (Transformers) e o intérprete do Jack na série - John Krasinski.

O John Krasinski cada vez mais vai se tornando uma figura desejada em Hollywood e saindo da sombra daquele personagem de comédia que víamos em The Office. Vemos o cara em filmes de ação (13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi) e em papéis mais sóbrios (Um Lugar Silencioso). 


Em Jack Ryan, ele traz uma atuação muito segura e entrega um analista bad-ass da CIA de melhor qualidade. Além dele, os secundários também são bem utilizados, alguns bem construídos, outros nem tanto, mas todos têm um papel para desempenhar na trama. Primeiramente temos o Wendell Pierce (Suits), que é o chefe imediato do Jack, na CIA. O ator tem um ar de liderança e aqui faz uma parceria bem controversa com seu subordinado. A Abbie Cornish (Sem Limites) faz uma biomédica que tem uma ligação com o Jack devido ao passado dele, mesmo sem eles saberem, mas devido ao trabalho dela, criando uma tensão bem legal entres eles.

O vilão - não, o antagonista - é tão bem construído, que se brincar é até mais que o próprio Jack. Gostei muito de como o roteiro saiu montando as virtudes e defeitos de forma que mostra todos os lados do personagem. E juntando isso à atuação do Ali Suliman, um oponente bem forte  é criado.

Ao citar o ator Ali Suliman, é preciso comentar outro fator bem legal da série: a representatividade. Aqui temos atores e atrizes de várias nacionalidades e etnias. Ponto bem positivo.


O tema abordado pela série é bem atual. De guerras no oriente médio em que os EUA participa, e muitas vezes deixam vítimas civis, até soldados que conduzem ataques há quilômetros de distância, utilizando drones, e as consequências dessas ações. Que um novo Bin Laden pode aparecer de uma hora para outra e que provavelmente só saberão depois que o mesmo fizer um ataque em larga escala. Vemos atentados bem pensados e sincronizados para atingir os objetivos. Não posso deixar de mencionar os refugiados desses locais, que muitas vezes vivem em acampamentos com condição de vida bem ruim, na tentativa de fugir da guerra.

A produção é bem construída e traz uma série de drama bem escrita e atuada, com apenas oito episódios, com duração média de cinquenta minutos. Temos um Jack Ryan que não faz feio para seus antecessores e que sai em busca do terrorista em um jogo de gato e rato pelo mundo.

Você que curte o personagem, que curte séries de drama e ação, que gosta de uma produção bem caprichada, não vai errar ao escolher Jack Ryan. É uma excelente pedida, que entrega momentos de tensão e explosões - Michael Bay né, gente?!


Esperando ansiosamente pela segunda temporada, que foi confirmada antes mesmo da estreia da primeira, e que irá inserir Noomi Rapace na trama. Carlton Cuse e Graham Roland serão os produtores executivos.

Assistam logo e depois voltem aqui para me agradecer!

Câmbio, desligo.



LEIA TAMBÉM