Swift

Crítica | Homem-Aranha no Aranhaverso


Quando Miles apareceu em 2011, muita gente torceu o nariz para o que podia representar uma provável “substituição” à Peter Parker, trazendo consigo uma responsabilidade gigantesca. 

A frase “com grandes poderes, vem grandes responsabilidades”, é o maior exemplo disso e não é á toa que ele é um dos personagens mais "humanos" desse universo, e não apenas por pagar boletos. 

Com Miles Morales temos um personagem negro em destaque. Além de trazer representatividade e este demonstra ter tantos problemas quanto Peter quando assumiu o compromisso de ser um herói e devo confessar que este substituiu muito bem o aranha veterano.  Expandindo o universo para o famoso multiverso, a Sony Pictures tomou uma iniciativa perfeita ao trazer Miles para uma animação, além de ser uma mídia muito acessível para a maioria das pessoas. Muitos o conhecem da série animada, e já sabemos desde o final dos anos 90 que animações sempre foram o forte do personagem e agora não seria diferente! 

Em Homem-Aranha no Aranhaverso temos uma animação que nos remete literalmente a uma revista em quadrinhos - desde o traço que é bem cartunesco até a forma com que o foco é usado em tela - nos remete a este mundo. De início, pode até parecer que estamos vendo um filme 3D sem óculos, mas logo nos acostumamos e conseguimos aproveitar esse tipo de traçado, que inclusive está aparentemente mais refinado do que vimos no pós-créditos de Venom, o que tranquiliza demais aqueles que achavam que teríamos uma animação que mais parecia stop-motion sem muito cuidado. 


créditos: Sony Pictures Brasil
Outro ponto positivo é a arte dos personagens, cada um traz um traço específico para o longa, então temos muita coisa diferente em um mesmo frame e por conta disso dá para entender as escolhas para os fundos e como eles interagem com o foco em cena. 

A trama é diferente dos quadrinhos, porém a partir do momento que são criados vários universos podemos ter várias origens e o próprio filme mexe muito com isso quando apresenta os demais aranhas. Isso é algo que sempre vemos em diversas mídias que contam histórias diferentes mas respeitam a vertente do personagem, e nós vemos não só o respeito, como também, um desenvolvimento perfeito de Miles, mostrando que não importa de onde o Aranha surja, sempre há um ápice que faz ele “acordar”, e neste longa, tal fator é muito bem desenvolvido e tem uma carga enorme para a evolução de Miles na história.

Estamos diante de uma animação com um ritmo rápido e com muitas cenas engraçadas, até mesmo em momentos que podiam ser monótonos, eles trabalham colocando alguns elementos para distração que funcionam muito bem. 


créditos: Sony Pictures Brasil
É bem nítido que não há quase nenhum ponto para se reclamar em Homem-Aranha no Aranhaverso apesar caracterização do Scorpion ter sido a pior que já fizeram -  uma vez que o filme flui de maneira natural, sendo gostoso de assistir e conseguindo equilibrar bem a participação de cada personagem. Além disso, a produção explora muito bem a ligação entre pai e filho, introduzindo Miles Morales da melhor forma possível no cinema, de uma forma que não há como dar errado. 

Homem-Aranha no Aranhaverso, educa, alegra e se torna um mega filme para toda a família. É a animação  que irá agradar os fãs e aqueles que não o conhecem, até por que sabemos que se tem o nome do aranha, temos sucesso e chegou a hora de darmos para Sony o devido crédito, pois trouxeram o melhor filme do teioso para os cinemas!

Homem-Aranha no Aranhaverso estreia dia 10 de janeiro de 2019 nos cinemas.



LEIA TAMBÉM