Swift

Crítica | O Manicômio


Vivemos em uma era altamente conectada onde as mídias sociais são fonte de entretenimento, informação e negócios, sendo relativamente fácil encontrar pessoas que buscam se tornar a próxima estrela da internet. A questão é por quais meios elas se sujeitam a isso?

Buscando fazer uma crítica - ainda que superficial - sobre o comportamento de uma sociedade baseada em likes, hits e visualizações como forma de alcançar o estrelato sem medir suas ações e consequências, o filme O Manicômio traz em sua narrativa cinco youtubers que decidem entrar ilegalmente em um hospital psiquiátrico, abandonado e mal-assombrado para um desafio de 24 horas, com a esperança de viralizar o vídeo e conseguirem mais seguidores.

A proposta do diretor e roteirista  Michael David Pate é interessante, se utilizando do conceito  found-footage - popularizado pelo filme Bruxa de Blair (1999) - você irá se deparar com muita câmera tremida, visões noturnas e perspectivas em primeira pessoa já que o objetivo é fazer com que o espectador seja inserido nessa pré-produção, um tanto quanto perturbadora, de um vídeo de youtube. Contudo, o grande erro de O Manicômio está em seu roteiro mal estruturado e confuso.

cr: Paris Filmes
Apesar de possuir uma boa ideia e personagens que fazem alusões a pessoas e situações reais - sendo meio que impossível você não associar um ou outro personagem com algum vlogger, blogueiro, etc... - a produção se perde em sua narrativa. Seguindo por um caminho despretensioso, a história que tinha tanto potencial, se rende a sustos e situações genéricas que podem inicialmente causar um pavor naquele que assiste, mas que vai se tornando repetitiva ao longo da produção.

O filme, buscando se reerguer ao adentrar em seu ato final, apresenta até um plot-twist interessante e inesperado, mas novamente não sabe trabalha-lo e segue para uma conclusão bizarra. Não é mostrado o objetivo da história, o proposito de cada personagem e ao fim questionamos o que acabamos de assistir.

O Manicômio apesar de possuir uma boa ideia erra em sua execução ao contar uma história que não possui rumo e é rodeada de clichês, como um vídeo de youtube que aparece em sua timeline, a produção flopa quando o assunto é causar medo.




LEIA TAMBÉM