Swift

Um pouco mais de Sarah Andersen


Hey, tripulante! Você já conhece a Sarah Andersen? Ainda não, então estou aqui para te apresentar a uma das melhores cartunistas do mundo. Mas, por outro lado, se você já a conhece, eu vim aqui para dizer que você também precisa amá-la. E caso você já ame a Sarah Andersen, então você venceu na vida!

Eu conheci a cartunista através do “Ninguém Vira Adulto de Verdade”, publicado pela Seguinte. Foi aquele tiro de identificação e representatividade a cada uma das páginas do livro, foi amor à primeira lida mesmo. Depois disso, em 2017, a editora lançou outro título dela: Uma Bolota Molenga e Feliz, que eu corri para comprar no lançamento! E de repente, semana passada, chegou um pacotinho lindo aqui, da parceria com o grupo Cia das Letras, e dentro, tinha nada menos do que “A Louca dos Gatos” e eu quase morri quando descobri que havia mais um título e que eu acabei deixando escapar e não vi o lançamento — que foi no ano passado!

Os livros chegam aqui no meu trabalho, porque eu vivo mais aqui do que na minha casa, então almocei em 15 minutos para conseguir devorar “A Louca dos Gatos” de sobremesa. Mas nossa, que sobremesa deliciosa, daquelas que só Sarah Andersen poderia desenhar!

Para quem ainda não conhece a cartunista, Sarah nasceu em 1992 em Connecticut, e atualmente mora em Nova York. Ela começou a postar suas tirinhas mais ou menos autobiográficas na internet, como passatempo, durante a faculdade e, hoje, sua página no Facebook, Sarah's Scribbles, tem nada menos do que 2,5 milhões de seguidores!
Se eu mostrasse minha vida acadêmica no Facebook, provavelmente minha página seria excluída, por disseminação de desastres...

No início de sua carreira, Sarah tinha o sonho de publicar um livro. Hoje ela já tem três, em vários cantos do mundo! E eu tenho certeza que ela teria um carinho especial pelas edições tão caprichadas que a Seguinte fez.

Mas por que tanto sucesso? Então, as tirinhas de Sarah Andersen são baseadas nas principais angústias e dilemas do início da vida adulta, como ansiedade, trabalho, estresse, indecisões – e como muitas vezes a gente nunca se sente adulto de verdade.
Algumas delas são especialmente voltadas para o público feminino, mas mesmo assim me identifico demais com as outras, porque ela também fala bastante sobre a vida diária dos introvertidos.

Eu até queria colocar várias das tirinhas espalhadas aqui pelo post, mas ficaria imenso porque eu acabaria colocando os livros inteiros... Então prefiro deixar a fanpage para vocês conhecerem melhor o trabalho dela: www.facebook.com/DoodleTimeSarah

E vai por mim, pode ler qualquer um dos três livros. E eu tenho certeza de que no final você vai querer dar um abraço — mesmo que você não seja muito afetivo(a) — na Sarah, por te entender tanto e expressar tudo isso nessas tirinhas que são de arrancar gargalhadas!

LEIA TAMBÉM