Swift

Crítica | Capitã Marvel (sem spoilers)


Ontem ocorreu a pré-estreia de Capitã Marvel e lá estava eu em meio a uma multidão para ver o filme de origem de Carol Danvers, o primeiro longa do MCU a ser protagonizado por uma mulher.

A produção é mais do que um filme de origem, já que liga completamente um universo criado há mais de uma década, usando os anos 90 como a ponte para costurar o filme aos demais. Os diretores Anna Boden e Ryan Fleck conseguem entregar um filme redondinho, bem linear, o que ao mesmo tempo é bom e ruim, pois nos dão ação, diversão, humor, porém peca ao não dar ao público um momento de “explodir a cabeça”. Pegando como exemplo a cena das trincheiras no filme da Mulher Maravilha (é difícil não comparar ambos os filmes).

Até tentaram construir AQUELA cena que faz com que o público levante da poltrona e bata palmas, no entanto o resultado não cria uma vibração contagiante, criando no máximo uns gritos ali e acolá.

créditos: Disney/Marvel
Brie Larson, que interpreta de nossa protagonista, está muito bem no papel, entregando boas cenas de lutas e se mostrando à vontade na persona da Capitã Marvel, sendo visível como ela se divertindo no papel. Mostra a força da mulher por si só, sem a necessidade de provar nada a ninguém, só a si mesma. Sendo forte como característica da personagem, não do poder em si. O filme molda a personagem através de flashbacks desde criança até o momento atual.

As participações de Samuel L. Jackson e Clark Gregg são ótimas, enquanto a participação do Agente Coulson é mais pontual na trama. Nick Furry não mede esforços em conquistar o espectador e consegue facilmente. Além de toda a maquiagem digital realizada para rejuvenescer o personagem, o envolvimento deste na trama é super interessante.

Não posso deixar de mencionar a melhor amiga e também piloto da Força Aérea Americana, Maria Rambeau (Lashana Lynch), e de sua filha Monica (Akira Akbar), ambas possuem uma forte ligação com a Carol se moldando muito a personalidade da protagonista. E para finalizar, é impossível deixar de mencionar o gatinho Goose, que ao lado do Fury se torna a parte cômica do filme.

Não preciso nem falar dos efeitos especiais do longa. Quando a Capitã Marvel está em ação é lindo de morrer. Quero dormir e sonhar com isso todas as noites.

créditos: Disney/Marvel
Os Skrull e Kree são bem definidos, tendo espaço para ambas as raças mostrarem seus valores e defeitos. Contam da guerra que estes travam por gerações. Destaque para o personagem Talos, da raça Skrull que é vivido pelo Ben Mendelsohn que está muito bem.

Ah, ia esquecendo dos easter eggs. Temos vários, muito mesmo, mas não vou contar aqui né? Assistam ao filme e nos digam quantos encontraram.

Capitã Marvel não é o filme que a gente esperava, mas não pegue isso como ruim e sim como algo que pode te surpreender. Vá ao cinema e aproveite para conferir um filme divertido com uma protagonista feminina forte e ainda que vai te dar um gostinho para o tão esperado Vingadores: Ultimato.

Importante: O filme possui duas cenas pós-créditos

LEIA TAMBÉM