diario-de-bordo category image

TAG Experiências Literárias – O Custo benefício vale mesmo a pena?

29 março 2018 0 Comentários

Quem
lê muito e costuma comprar seus livros pela internet, já deve ter batido os
olhos em alguma publicidade da TAG –
Experiências Literárias
. O serviço de assinatura, parecido com uma Mistery
Box, um conceito que faz sucesso lá fora e chegou bem rápido aqui no Brasil
também, principalmente com conteúdo voltado para o público nerd e geek, oferece uma
espécie de curadoria, escolhendo, produzindo e enviando um livro com acabamento
de luxo todo mês para os seus associados.

O
livro é sempre escolhido por alguma figura relevante do meio literário, às
vezes jornalistas, às vezes críticos de literatura, outras vezes leitores de
prestígio, tendo também sua cota de grandes escritores nacionais ou
internacionais entre seus curadores. A proposta em si nos parece de cara
bastante atraente, não só pela indicação de sujeitos ilustres ou pelo
acabamento de luxo, pelos mimos que vêm embutido no pacote, mas,
principalmente, porque a TAG propõe a possibilidade de dividir a experiência
literária, já que a sensação de uma mesma obra sendo compartilhada por um país
inteiro de associados reforça a própria ideia de clube do livro, tão antiga,
mas, quase em desuso hoje em dia.

Nesse
sentido, a TAG oferece ainda um serviço online, um aplicativo que funciona mais
ou menos como uma rede social para seus assinantes, onde os livros escolhidos e
enviados entram sempre em pauta.


Apesar
de já está quase fazendo seu quarto aniversário, foi no início desse ano que a
TAG fez um esforço a mais em sua publicidade. A indicação de Janeiro, feita
pelo escritor Luís Fernando Veríssimo, apareceu por toda parte, nas redes
sociais, em canais populares do Youtube,
nas rodas de amigos até.

Eu,
que sempre tive vontade de assinar a TAG, embora nunca vontade o suficiente,
decidi matar finalmente minha curiosidade e paguei Janeiro como meu primeiro
mês. O livro enviado por Veríssimo, Retorno a Brideshead, não me agradou
inteiramente, mas a experiência, sem dúvida, me deixou ainda mais curioso. Eu
recebi um livro em casa, meio que de surpresa, um livro que eu não escolhi, com
uma história que eu não conhecia e certamente não teria tirado da prateleira de
uma livraria, eu li esse livro e acessei uma aplicativo no meu celular com um
monte de outras pessoas passando pelo mesmo processo, recebendo um livro que
não teria escolhido por conta própria e descobrindo que talvez se interessasse
mais por esse tipo de história, pude conversar com essas pessoas, pude até
encontrar algumas pessoas na minha cidade que estavam no aplicativo também, que
se reuniram comigo para falar sobre o livro numa tarde de sábado qualquer.

A
experiência da TAG impressiona. É uma ideia muito velha e muito simples que
demorou para se colocada em prática num mundo com quase tudo a nossa disposição
ao alcance de uma tela de celular.



A
caixa mistifica um pouco a experiência, tem toda uma pompa, uma perspectiva às
vezes luxuosa demais. A edição é produzida especialmente para os assinantes,
com acabamento específico para os assinantes (e eles fazem questão de deixar isso
claro desde a folha de rosto com uma espécie de dedicatória mecânica e padrão),
eles enviam um mimo (quase sempre redundante) junto com a história, alguma
coisa que “ajude” o leitor em seu processo de imersão. A TAG adora falar sobre
essas coisas. A maioria dos assinantes da TAG adoram falar sobre essas coisas.
Essa pompa e circunstância. Mas, indo para o meu quarto mês de assinatura,
posso dizer que o preço (que considero apesar de tudo bastante desproporcional)
não vale pela materialidade do objeto, mas talvez a experiência como um todo
lhe agrade.


Comecei
esse texto para tentar entender e responder se valia mesmo a pena assinar o
serviço (a TAG ou um dos outros tantos que aparecem por aí, indicados pelos
booktubers por todo lugar). Como justificar para si mesmo que compensa pagar
quase 100 reais numa única obra (e toda pompa que vem embutida) quando a Amazon
e a Saraiva nos enfiam goela abaixo promoções variadas com obras à nossa
escolha e disposição? Acho que não se justifica. O livro em si, a capa dura, a
edição especial e cuidadosa, os mimos, marcadores e suplementos de debate que
vem dentro da caixa são a parte que a gente realmente paga, mas, me parece
agora, que são os valores agregados que mais importam.


Alguns
livros indicados pelo TAG podem fazer mais barulho, porque às vezes, como no
caso de As Alegrias da Maternidade, de
Buchi Emecheta, ou O Alforje, da iraniana Bahiyyih Nakhjavani, são obras nunca antes
publicadas no Brasil. O contrato com a TAG nesses casos pode parecer a única
opção para se ter acesso a essas histórias. É um diferencial. Um algo a mais
que aparece um mês ou outro se você espera com paciência. Mesmo assim, só pela
coisa física, penso que é como jogar dinheiro fora se você não tiver vontade de
se preocupar com esse algo a mais.
diario-de-bordo category image

Star Wars Está Vivíssimo!

8 janeiro 2018 0 Comentários



O Despertar da Força trouxe-nos de volta e reanimou a chama da paixão por Star Wars há pouco mais de dois anos atrás. No entanto, o que talvez devesse ser um grande estouro, chegou de maneira mais amena. Acredito eu, que o retorno dos novos episódios de Star Wars, bem como os capítulos de história — Rogue One, Han Solo… — tenham sido um pouco afogados pela atual franquia de histórias em quadrinhos nas telonas. Marvel e DC Comics, juntamente com seus (nossos. Meus!) super heróis, vêm desenvolvendo um hype e um delírio muito grande para o público jovem atual. Ao que me parece, o retorno de Star Wars foi emplacado pela sede dos mais saudosistas — eu mesmo!


Eu confesso que achei que as Guerras nas Estrelas estavam sendo injustiçadas, mas até que 2017 chegou para me mostrar que tudo o que precisava era de um pouco mais de tempo. Acredito que agora, Star Wars tenha engrenado em uma boa marcha e que vai seguir em um bom ritmo. Prova disso? O famoso mimimi! Geração saudosista — querendo se passar por “raiz” — versus geração “nutella”. Toda a polêmica causada por “Os Últimos Jedi” nos diz que tanto as gerações mais antigas quantos os jovens e a sociedade atual estão assistindo Star Wars, amém, a Força está com a gente!

Outra prova dessa ascensão são as animações e quadrinhos que vêm ganhando até o público infantil, sem contar a quantidade de produtos pelas prateleiras que, na verdade, muitas vezes acaba caindo em falta por conta da grande procura dos consumidores. Eu acredito que em 2017 eu tenha batido meu record de compra de produtos Star Wars. Além disso, a variedade está aumentando também! Roupas de cama, produtos para casa, cozinha, acessórios… As marcas e os fabricantes perceberam que ter Guerras nas Estrelas no catálogo é sinônimo de altas vendas e sucesso, e a gente só agradece.

Espero que 2018 não nos decepcione quanto ao destino do nosso (pouco) dinheiro e que continue nos surpreendendo com boas produções que possam valer os nossos ingressos e com bons produtos que nos façam ter motivação para trabalhar — porque a gente só trabalha porque geek stuff é caro e não cai do céu, não é mesmo? — e alcançar o estouro dos nossos cartões crédito — ainda tô apaixonado pela minha colcha que acende no escuro, e que eu trarei em breve nas nossas novidades de transmissão pelo YouTube!




Agora contem aí, o que vocês compraram de Stars Wars ultimamente, ou o que mais gostaram de ter comprado/ganhado, e o que estão achando da franquia atual nas telonas, animações e HQs?

diario-de-bordo category image

Experiência Escape Time Brasil

15 novembro 2017 0 Comentários

escape time brasil

Em parceria com Escape Time Brasil e juntamente com o Reinado Geek e o Clarim Nerd, fomos convidados para conhecer o espaço e jogar algumas salas e compartilhar toda a experiência com vocês!

Foram dois dias desvendando mistérios e resolvendo soluções que teriam efeitos catastróficos na humanidade. Aqui neste post vocês podem conferir algumas das salas que jogamos (quase todas) e toda a experiência você pode assistir no vídeo que deixamos no final do post. Continue lendo

diario-de-bordo category image

Uma visita ao Grupo Editorial Record

10 outubro 2017 0 Comentários

Na última sexta feira nós fomos atender a um convite muito especial! Pousamos nossa nave na sede do Grupo Editorial Record, aqui no Rio de Janeiro! Acompanhe-me nessa incrível jornada por uma fábrica de livros.

Eu já havia escutado falar sobre a gráfica que a Record possui, sempre cheia de elogios, mas até então ficava tudo somente na imaginação — o que já era suficiente para ficar deslumbrado com a magnitude do lugar. Mas finalmente eu pude entrar nesse paraíso de máquinas e papel, para ver como a magia dos livros começa a acontecer.
Guiados pela Rafa e pela Ana, do marketing da Record, além do Rapaz-Que-Esqueci-O-Nome-Me-Desculpe, nós passamos por dentro de máquinas que levavam o papel para as matrizes de impressão e depois vimos o corte a dobra das páginas. Seguindo o fluxo, vimos as capas sendo também dobradas e a cola sendo aplicada na lombada, para então receber o miolo do livro, logo após, passando pelo processo de secagem e finalmente chegando às guilhotinas que cortavam os excessos e deixavam os livros como os vemos nas prateleiras. No final disso tudo, ainda tinham os funcionários que faziam o controle de qualidade e embalavam os livros, onde nós oferecemos — várias vezes — nossas mochilas como embalagem, mas parece que eles preferiam as caixas de papelão da Record, mesmo.

Talvez você pense — “Mas é apenas um processo simples. Imprime, dobra, cola e corta.” —, sim é um processo mecânico simples de ser descrito, mas quando a gente é apaixonado por livro, tudo isso ganha um encanto muito maior ao presenciar cada passo dessa realização de novos mundos e universos. E olha que de mundos e universos, nós, astronautas, entendemos bastante!
Minha vontade era de sentar em uma daquelas esteiras, junto com os livros, e ficar circulando pela gráfica, o dia inteiro. Acredito que deva ser um dos trabalhos de linha de produção mais gratificantes do mundo.

Depois de babar bastante, dentro daquela fábrica de mundos, as meninas nos levaram para conhecer a Galera da Record — desculpe pelo trocadilho, hahaha. E então passamos pela equipe de marketing, pelo editorial, pelo pessoal de aquisição e a cada sala que eu entrava, eu ficava boquiaberto com o ambiente. Coisa linda de se ver, um monte de mesas decoradas tematicamente com livros e sempre cheio de prateleiras recheadas para todos os lados. A vontade era realmente de mandar todo mundo sair dali e tomar posse do lugar, hahaha! Sério que foi impossível não pensar “quero uma mesa dessas pra mim, só preciso disso pra ser feliz!”. Será que tem vaga de TI por lá? #RecordMeContrata

E as surpresas não acabaram por aí. Ainda tivemos um coffee break, onde as meninas nos apresentaram os títulos para esse último trimestre de 2017, além de algumas promessas para 2018 e alguns livros de presente, com alguns brindes que adoramos!
Dentre os livros apresentados, eu não poderia deixar de alguns para vocês. Confiram o que está vindo por aí:

O Mago de Batalha — Aleluia, irmãos! Temos aqui o terceiro volume da saga do conjurador. Já resenhada aqui no blog e com entrevista exclusiva do Taran Matharu, essa é uma das melhores séries infanto-juvenis que já li na minha vida! Você pode completar a coleção a partir da primeira quinzena de novembro!

Assassin’s Creed Origins: Desert Oath — Mais um título da nossa queridinha coleção de Assassin’s Creed que trazem com maestria as cenas de um dos melhores games do mundo, para as páginas dos livros. Dessa vez nossa viagem histórica será ao Egito, cerca de setenta anos antes de Cristo, na pele de Bayek. Ainda sem título em português, mas algo como “O Juramento do Deserto”, esse título traz o retorno de Oliver Bowden às narrativas de AC.

Todas as Garotas Desaparecidas — Um daqueles títulos de tirar o fôlego e que não te deixam largar as páginas enquanto não terminar a leitura. A promessa é de um livro mais intenso que nunca falha em cativar o leitor. Afinal, “ninguém simplesmente some”. Não vou falar muito desse porque em breve traremos uma resenha com mais detalhes sobre ele. O livro já se encontra nas melhores livrarias!

O Maravilhoso Bistrô Francês — Se você curtiu “A Livraria Mágica de Paris”, com certeza você vai precisar de mais esse título de Nina George, com uma promessa de resgate às coisas simples e bonitas da vida. Leitura leve, mas cheia de sentimentos, e obrigatória! Também na primeira quinzena de novembro.

Criaturas e Criadores — Uma das mais aguardadas promessas nacionais que estamos esperando, trazendo quatro releituras das sombras pelas mãos de Raphael Draccon, Carolina Munhóz, Frini e Raphael Montes, que também chega logo após o Halloween, no início de novembro.

Recebemos mais alguns livros e fomos apresentados a mais alguns outros, porém deixei para trazer postagens mais exclusivas sobre eles, em breve. Os que eu não trouxer, a Thamy trará, fiquem tranquilos que vai ter muita coisa boa rolando aqui pela nossa transmissão e lá na nossa Plataforma Literária.

Antes de encerrar essa transmissão, preciso agradecer infinitamente pelo carinho do Grupo Editorial Record e pela recepção e dedicação do tempo — que a gente sabe que é apertado — da Rafa e da Ana. Agradecemos também à Aliança de Blogueiros Literários do Rio de Janeiro, pela oportunidade. Câmbio, desliga.